Vida atrás das lentes: entrevista com Victor Daguano

Formado em Design, aficcionado por motos, baixista e obviamente fotógrafo, Victor Daguano conversa com a gente e fala um pouco mais de sua carreira e sobre o seu último projeto, o Shibuya Helmets!

 

However – Há quanto tempo você trabalha com fotografia e o que o levou a trabalhar com isto?

Victor Daguano – Trabalho com fotografia tem uns 3 anos, mas só comecei mesmo a pegar sério quando virei assistente de um fotógrafo famoso, Gustavo Zylversztajn, com quem trabalho até hoje e aprendo a cada dia. Honestamente, há 4 anos atrás, eu não pensava em trabalhar com fotografia. Na época, estava apoiando uma namorada e, me via mesmo no design, área em que sou formado. Mas a ex acabou indo para vídeo e eu para foto, e cá estou.

 

H – Poeira, música e imagens… Até que ponto suas atividades cotidianas influenciam no seu processo criativo?

VD – O tempo inteiro. Eu trabalho com foto todos os dias e, quando não estou trabalhando, estou tocando ou desenhando, então a minha vida é basicamente arte o tempo inteiro. Até parei de jogar vídeo-game porque estava me atrapalhando. Tenho saudades, mas o meu tempo não dá para tudo isso, não! Rs

 

Victor Hugo Daguano______

 

Victor Hugo Daguano_____

 

H – Nova Iorque, Chile, Europa… Em suas viagens a trabalho, o que mais o marcou? Algum episódio em especifico que gostaria de deixar registrado?

VD – Eu acho que o que mais me marcou foram as pessoas que eu vi nas ruas dos Estados Unidos, em cidades como NY, São Francisco, LA. É engraçado como tem jovens bem novos e super bem cuidados pedindo dinheiro nas ruas como mendigos mesmo, mas que poderiam estar sentados no nosso sofá, vestidos como estão… Estranho isso! Fiz até uma série de fotos dessas pessoas, que ainda vou postar!

 

H – Ao contrário de muitos fotógrafos, notamos que você também gosta de ser clicado. Qual é o sentimento de passar de trás para a frente das lentes?

VD – Engraçado, eu conheci o Gustavo quando fui “modelo” de um trabalho dele. É até curioso! Honestamente, tenho um pouco de vergonha e não me acho o mais fotogênico, mas no fundo acho que gosto sim… Prefiro ficar atrás das câmeras, mas acho divertido estar na frente delas. Rs

 

VD_

 

H – Em seu trabalho, é notória a sua paixão por motos que, muitas vezes, foram fotografadas com mulheres com pouca, ou quase sem roupas. Do seu ponto de vista, seria esta a mistura para uma foto perfeita?

VD – Que homem não gosta de moto e de mulher? Juntando os dois… Eu acho que vira arte! Até mesmo quem não tem moto ou não se interessa pelo assunto, vai achar isso bonito, tenho certeza!

 

Victor Hugo Daguano____

 

Victor Hugo Daguano

 

Victor Hugo Daguano_

 

Victor Hugo Daguano__

 

Victor Hugo Daguano___

 

H – E por falar em perfeição, conte para a gente um pouco mais sobre o seu último projeto, o Shibuya Helmets, principalmente, de onde surgiu esta ideia?

VD – O projeto surgiu no começo desse ano. Eu sempre gostei de fotografar motos e mulheres, como disse na resposta anterior. Juntando os dois… Não tem muito como errar. A ideia foi minha e do meu parceiro Teydi, dono da oficina que faz os capacetes. Ele abraçou o projeto na hora! O mais legal disso é o ar de “mistério” que as meninas passam, já que estão irreconhecíveis com os capacetes. Acho que esse é o ponto mais legal do projeto… Fora que – claro! – cada uma tem uma personalidade o que torna a coisa mais incrível ainda!

 

Victor Hugo Daguano_SH

 

Victor Hugo Daguano_SH_

 

Victor Hugo Daguano_SH__

 

Victor Hugo Daguano_SH___

 

H – Sei que algumas das fotos das 60 modelos fotografadas neste projeto vão para uma exposição. Você já tem alguma data definida para podermos informar aos amantes da fotografia? Afinal, este será um evento imperdível!

VD – Ainda não temos data. Na verdade, são 65 modelos incríveis! Teremos o livro do projeto, brindes, camisetas e, no dia da exposição, vai rolar até música ao vivo. Vai ser um evento bem bacana… Espero todos lá! Vou postando novidades no meu facebook, mas vai ser em breve. Estou pensando para dezembro, ou no comecinho de 2015, assim já inauguraríamos o ano – e a exposição – com o pé direito!

 

H – E para o futuro, o que veremos pelas lentes de VD?

VD- No momento, quero me focar ao máximo para finalizar o projeto do Shibuya Helmets com tranquilidade… sem stress… Está por pouco… Para 2015, tenho vontade de entrar mais na área de vídeo. Vamos ver no que dá. E claro: continuar dando assistência para grandes fotógrafos, pois, afinal de contas, é assim que a gente aprende, não é?

Deixe seu comentário