“Mobile friendly”: o seu site ainda não é?

Passados pouco mais de 20 anos do lançamento do primeiro dispositivo mobile, observamos uma enxurrada de inovações tecnológicas nesse segmento. Grandes empresas desapareceram, outras surgiram, o mercado se consolidou e a briga pela atenção dos consumidores  tem dado origem a devices surpreendentes.

Idealizado para facilitar a necessidade de comunicação entre as pessoas, o Smartphone juntamente com a popularização da Internet, mudou a forma de interagirmos com o mundo. Há quem critique a hiperconectividade, mas, na minha opinião, temos que aceitar a realidade e deixar a supervisão por conta de cada um.

Filosofia à parte, um dos dados mais interessantes desse mercado é que o acesso à Internet, por meio de dispositivos móveis, deve superar, em breve, aquele realizado via desktop. Artigos divulgados em sites como Kleiner Perkins Caufield & Byers (KPCB), ComScore, Google, Six Revisions, entre outros, destacam tal fenômeno e, segundo  tudo indica, a superação do acesso Mobile ocorrerá já em 2015. Mobile vs Desktop Crescimento global de tráfego via mobile Distribuição diária de minutos por resoluções de telas no mundo

O que podemos deduzir de tudo isto? Que a exigência da mobilidade faz com que usuários de Smartphone, na busca rápida por informações, utilizem mais o telefone do que o computador para navegar na web. Isto significa que não estão apenas acessando redes sociais, mas que estão também pesquisando informações, principalmente sobre produtos e serviços.

Baseada em muita pesquisa e estratégia, a Internet deve ser pensada com o intuito de proporcionar a melhor experiência ao usuário, e não há nada mais “espanta cliente” do que acessar uma marca, via Mobile, e deparar-se com aquela navegação não amigável, na qual  a busca por uma simples informação, como o endereço ou telefone, pode se tornar algo árduo, complicado. Nestes últimos 3 anos acompanhamos no web design a tendência dos sites serem mais verticalizados.

Fica claro que as variáveis necessárias para o desenvolvimento de um projeto digital sofreram influencias dos dispositivos touch, pois a navegação por meio de rolagem descarta a necessidade de vários cliques e, principalmente, minimiza o tempo gasto para o carregamento de novas telas. Se antes tínhamos que nos preocupar apenas com os diversos browsers para desktop, hoje todos os projetos precisam levar em consideração, além do crossbrowsing, a infinidade de devices Mobile e, para tanto, necessitam ter uma configuração mínima compatível com o maior número de telas possíveis.

Já  há algum tempo, podemos desenvolver sites “Mobile Friendly” em dois formatos: o responsivo e o dedicado. Resumidamente, no primeiro formato, o mesmo conteúdo se adapta a diversos tamanhos de tela, de Smartphones a desktops. Já quanto ao formato dedicado, há necessidade da construção de um segundo site no qual o browser identifica o acesso proveniente de um Smartphone e leva o usuário para a versão Mobile do site.

A escolha entre uma dessas opções – responsivo ou dedicado – deve ser feita com muita cautela, pois existem diversos  prós e contras que precisamos levar em consideração para que os resultados atinjam os objetivos traçados. O que podemos salientar é que, em se tratando de Mobile, devemos sempre agir baseados nas necessidades dos usuários! E nesse caso a necessidade por informação é para já! (Ou para ontem!)

Deixe seu comentário