Crowdfunding como vitrine para aficcionados por tecnologia

Você estaria disposto a comprar um produto que receberia depois de meses, talvez quase um ano? Parece ironia, mas é justamente o que se observa nos sites de financiamento coletivo.

Criado há quase uma década, este tipo de ferramenta via web surgiu com o intuito de ajudar as pessoas na realização de um sonho. No entanto,  como todos sabemos, recursos financeiros são essenciais para o nascimento e crescimento de qualquer tipo de empresa e as ferramentas de crowdfunding possibilitam a arrecadação de valores num rápido período de tempo.

Adotando-se a mesma estratégia, segundo a qual o inventor cria um conteúdo explicativo sobre o projeto, publica em algum site que preste este serviço e torce para que os usuários/consumidores “comprem” a ideia, o financiamento coletivo vem apresentando um comportamento curioso.

O que, inicialmente, tinha um aspecto filantrópico, pois as pessoas que apadrinhavam os projetos o faziam mais com o intuito de ajudar, começa a apresentar um foco diferente:  produtos inusitados, principalmente aqueles ligados com tecnologia, vêm despertando cada vez mais o interesse de compra pelo usuário/consumidor.

Podemos observar isto em inúmeros projetos. Vou citar alguns que me chamaram muito a  atenção, não só pelo valor arrecadado ser extremamente superior àquele pedido pelos inventores do projeto, mas também – e principalmente – pelo grande número de apoiadores que optaram por doar o valor referente à compra do produto em vez de fazerem a doação simbólica.

Na lista dos projetos mais bem sucedidos de 2013, está o Canary, de uma empresa de New York,  que apresentou um device bem interessante com a ideia de solucionar o problema de vigilância e monitoramento residencial. Utilizando o site de financiamento coletivo Indiegogo, a empresa pediu 100 mil dólares para começar o projeto mas  já arrecadou quase 2 milhões.

A israelense ZUTA Labs, que está utilizando o Kickstarter como plataforma, começa a chamar a atenção do publico com um projeto de uma impressora portátil que, um pouco maior que uma bola de tênis, vem carregada de design e tecnologia e promete superar  facilmente  o valor mínimo para o início do projeto.

O mais surpreendente foi o caso da Startup M3D que apresentou, também no Kickstarter, um projeto de uma impressora 3D e arrecadou o valor pedido, que era de 50 mil dólares, em apenas 11 minutos. Até a publicação deste post, eles já haviam arrecadado 2.9 milhões de dólares e ainda faltam 13 dias para o término do prazo de aceitação de doações.

Mudando a forma como as startups estão se organizando, uma vez que a necessidade de um sócio investidor pode ser substituída pelo apoiador comprador, o serviço prestado pelas plataformas de financiamento coletivo encurtam o caminho e o tempo de encubação das ideias,  beneficiando assim, além da startup, o próprio usuário final que pretende adquirir a novidade.

Se você possui um projeto que possa impactar a vida das pessoas, não perca tempo e utilize os sites de crowdfunding com estratégia de divulgação e arrecadação de capital. Você pode iniciar a sua trajetória  com milhares de clientes que estão à procura de novos produtos.

Deixe seu comentário